sábado, 21 de agosto de 2010

A carne precisa morrer

“Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis.” Romanos 8:13

Dos três inimigos do cristão apontados por Lutero (o mundo, a carne e o diabo), qual deles é o mais perigoso? Todos são inimigos ferozes, mas há um deles que está sempre por perto. Aliás, a carne é a velha natureza de Adão que ainda permanece no crente mesmo após a conversão. Ela está conosco 24 horas por dia, 7 dias por semana e 4 semanas no mês, 12 meses por ano, até o fim de nossa vida nesta terra. O mundo com todas as suas artimanhas só terá espaço em nosso viver se permitirmos que a carne ganhe espaço. E o diabo apenas abana o fogo, pois a lenha e o combustível já existem no nosso coração. Alguém disse que “sobre os ombros do diabo têm sido colocadas muitas culpas que são nossas, pecados voluntários, erros que tiveram nossa dedicação.” A carne que nos assedia diariamente é o mal que habita em cada um de nós.

Paulo escreveu a epístola aos Romanos e foi bem enfático ao afirmar o seguinte: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo. Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço. Mas, se eu faço o que não quero, já não sou eu quem o faz, e sim o pecado que habita em mim. Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim” (Romanos 7:18-20). Este mal a que Paulo se refere é toda a natureza corrompida de Adão que ainda permanece no cristão. Sugiro que você leia atentamente os capítulos 6, 7 e 8 de Romanos. Todos já nascem com a propensão de satisfazer os desejos da carne (Ef. 2:3), mas o cristão não deve ceder aos desejos carnais se tem o propósito firme de agradar a Deus. Quando o homem é salvo e passa a se relacionar com Deus, ele começa a perceber a pecaminosidade que há dentro dele.

Duas palavras são usadas na Bíblia para se referir à carne: “soma” e “sarx”. A palavra “soma” é normalmente utilizada para se referir a corpo físico, enquanto “sarx” possui uma abrangência maior e pode significar também a natureza caída do homem. O pecado infectou cada aspecto da nossa existência, por isso a carne é apontada como inimizade contra Deus. As obras da carne descritas em Gálatas 5: 16-21 são manifestações diretas desta inimizade contra o Espírito de Deus. Neste texto bíblico observamos nos versículos 22 e 23 o estilo de vida diferente que é percebido mediante os frutos do Espírito. Este conflito dentro do crente é travado diariamente, por isso é que o cristão precisa aprender a mortificar o poder maléfico de sua carne dia após dia.

Para que haja uma mortificação eficaz do poder que a carne possui, devemos aplicar algumas estratégias muito importantes. Um dos passos é vigiar atentamente tudo o que chega a nossa mente e filtrar todas as coisas segundo uma cosmovisão bíblica. A mente é a porta de entrada e só podemos permitir que entre em nossa vida o que seja útil para o nosso crescimento e edificação espiritual. Por isso é que somos advertidos constantemente sobre uma transformação que envolve a renovação da nossa mente. Outra estratégia é diagnosticar logo no início as “iscas” que são colocadas diante de nós. Para isso devemos ter um coração submisso à verdade da Palavra de Deus, que não deve sofrer alterações para se adaptar aos nossos anseios pecaminosos. Além disso, precisamos exercitar a negação do “eu”, dizendo não aos desejos da carne (Lc. 9:23) e nos despojando constantemente das obras do velho homem (Cl. 3:9), que se corrompe segundo as concupiscências do engano.

Para viver de modo agradável a Deus o crente necessita mortificar a carne, fechando as brechas a fim de que não haja suprimento para ela. A carne precisa morrer e nós somos totalmente responsáveis por isto. Como filhos amados do nosso Pai, devemos prosseguir crescendo até a estatura de varão perfeito conformando-nos dia após dia à imagem do Senhor Jesus Cristo.


Textos úteis:
“Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna.” (Gálatas 6:8)
“Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.” (Romanos 8:8)
“Porquanto, havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem?” (1 Coríntios 3:3)
"Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz." (Tg. 1:14)


ESTUDO BÍBLICO UNIÃO DE JOVENS
MARCOS AURÉLIO DE MELO

2 comentários:

nick disse...

Lutero disse: "Tenho mais medo do que está dentro de mim do que daquilo que vem de fora". Nossos inimigos são reais e ás vezes parece que são mais trabalhadores do que nós mesmos na busca por seus objetivos. Quando questionado pelos motivos dos erros e pecados a primeira resposta facilmente a vir será semelhante ao que Adão respondeu: ..."a mulher que Tu me deste...". Qualquer um pode ser responsável – até Deus, como aqueles que dizem que o Senhor é “soberano” por tudo e, “porque não até pelos pecados cometidos”? – assim fica mais confortável, alguém levando a culpa. Mas a Bíblia é clara "ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz." (Tg. 1:14). É muito mais difícil reconhecer que peca porque quer, porque escolhe dizer não à Deus. E como fica o crente em relação a tantos inimigos citados? Seria três (o diabo, o mundo e a carne) contra um? . “... Onde abundou o pecado superabundou a graça..." - eu sei do contexto que este versículo está inserido – porém é importante lembrar e dar graças ao Senhor Jesus que em cada tentação, em cada cilada armada, em cada desejo solicitado ao mal Ele concede recursos superiores aos que desejam viver retamente. A Palavra e a meditação, a oração e a intercessão de Cristo, a comunhão com o Povo de Deus, o Espiríto Santo entre outros são mais superiores quando usados e desfrutados diligentemente do que esses inimigos ou situações causadas por eles. Um recurso que precisa ser enxergado em cada tentação é o escape: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá LIVRAMENTO, de sorte que a possais suportar. (1Co 10.13). Não existe nenhuma tentação sem pelo ao menos uma oportunidade de escape. “Senhor Glorioso e Bendito, o pecado cegou os olhos do meu entendimento, mas ajude-me pela tua graça em cada tentação enxergar o escape providenciado por tuas mãos Soberanas marcadas pelos cravos da cruz. Em nome de Cristo, Amém”. Que essa possa ser a nossa oração em cada manhã antes de iniciarmos nossas batalhas diárias.

nick disse...
Este comentário foi removido pelo autor.